Follow by Email

Seguidores

Dani e JV

Minha foto
Danielle Davegna
35 anos, carioca e mãe do João Victor (11 anos e autista)
Visualizar meu perfil completo

Contadores

quinta-feira

Prozac água contaminada de consumo pode ser a ligação ao autismo

Por Drew Armstrong em 7 de junho de 2012

Os peixes expostos a medicamentos psiquiátricos demonstrou padrões genéticos semelhantes aos encontrados em pessoas com autismo, em um estudo sugerindo uma ligação entre as drogas que entram no abastecimento de água humano ea desordem desenvolvimento do cérebro.

Pesquisadores colocaram os antidepressivos Prozac e Effexor, bem como anticonvulsivante Tegratol droga em tanques de água de peixinhos. Os testes mostraram que os mesmos genes ativados em pessoas com autismo também foram provocados nos peixes após a exposição, de acordo com um estudo publicado na revista PLoS ONE.

As descobertas sugerem que pequenas quantidades de medicamentos psiquiátricos encontradas no fornecimento de beber pode ser uma causa do autismo, disseram os pesquisadores. Psicofármacos têm sido associados a sintomas semelhantes aos da autismo em estudos de ratos expostos aos medicamentos, de acordo com o estudo.

"Uma causa ambiental não é realmente sobre o radar para um monte de gente", disse o autor do estudo, Michael Thomas, professor de biologia evolutiva na Universidade do Estado de Idaho em Pocatello, em entrevista por telefone. "Minha sincera esperança é que isso abre a porta a uma nova questão e permite que as pessoas de olhar para essa possibilidade."

As concentrações das drogas são encontradas a jusante das estações de tratamento de água que os resíduos processo humano que contém os medicamentos, disse Thomas. As moléculas fazem seu caminho para a jusante de abastecimento, onde as mães grávidas que bebem a água pode passar a exposição a seus fetos.

"Enquanto outros imaginou um papel causal para drogas psicotrópicas no autismo idiopática, que ficaram surpresos ao encontrar evidências de que isso pode ocorrer em doses muito baixas, tais como aqueles encontrados em sistemas aquáticos", Thomas disse em um comunicado que acompanha o estudo.

Eli Lilly & Co. Effexor 's Prozac, Pfizer Inc.' s e seus equivalentes genéricos pertencem a classes de drogas que gerou US $ 14,2 bilhões em vendas nos EUA no ano passado, de acordo com dados compilados pela Wolters Kluwer NV e Bloomberg.

Concentrações mais elevadas

Os pesquisadores usaram as concentrações dos medicamentos mais elevados do que são medidos em campo, o que Thomas disse que foi intencional.

"Todos os estudos que vem que medidas as concentrações no ambiente mostra ordens de grandeza maior do que o estudo anterior, assim que nós figuramos as concentrações iria pegar com a gente", disse Thomas.

Os pesquisadores estão coletando amostras de água de lugares com concentrações conhecidas, e plano para testar peixinhos em que a água, disse ele.

Ascensão Autismo

O número de crianças com autismo e transtornos relacionados ao uso está crescendo, segundo dados coletados pelo Centro dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças, em Atlanta. O número de 8 anos de idade identificados com transtornos do espectro autista aumentou 23 por cento em 2008 a partir de 2006, de acordo com um relatório do CDC março. Parte do aumento é devido a uma maior consciência do autismo como uma causa de distúrbios comportamentais, embora a quantidade de que contribuiu para o aumento não é conhecido, de acordo com o relatório.

Autismo inclui uma série de transtornos caracterizados por comprometimento social, dificuldades de comunicação e padrões restritos, repetitivos de comportamento, de acordo com o National Institutes of Health.

O estudo foi suportado por financiamento da Fundação PhRMA, National Institutes of Health e do Estado de Idaho University.

Para contatar o repórter nesta história: Drew Armstrong em Nova York, darmstrong17@bloomberg.net;

Para contactar o editor responsável por essa história: Reg Gale em rgale5@bloomberg.net

Fonte :: http://www.businessweek.com/news/2012-06-06/prozac-contaminated-drinking-water-may-be-link-to-autism


0 comentários: