Follow by Email

Seguidores

Dani e JV

Minha foto
Danielle Davegna
35 anos, carioca e mãe do João Victor (11 anos e autista)
Visualizar meu perfil completo

Contadores

quarta-feira

Comportamento Repetitivo no Autismo

Se o autismo de seu filho inclui rituais repetitivos, você vai querer aprender o máximo possível sobre o comportamento repetitivo no autismo. O sintoma comum do autismo inclui uma gama de comportamentos incomuns que podem ser perturbadores para os pais. Aprender sobre o comportamento repetitivo pode ajudá-lo a entender melhor seu filho e aprender maneiras possíveis para diminuir a intensidade dos comportamentos.
* Comportamento repetitivo em geral Autismo

Comportamento repetitivo é o termo para descrever tipos específicos de comportamentos incomuns voluntários comumente encontradas no autismo. Comportamento repetitivo é também por vezes referido como auto-estimulador comportamento ou Stimming. Cada caso de autismo é único e nem todos experimentam comportamento repetitivo.

As pessoas afetadas com autismo podem se envolver em diferentes níveis de comportamento repetitivo. Algumas pessoas só podem apresentar um comportamento repetitivo quando se sente irritado ou excitado. No entanto, outros podem ter rígidos rituais repetitivos que limitam sua capacidade de participar de outras atividades que não fazem parte da sua rotina.

O comportamento repetitivo geralmente começa aos dois ou três anos de idade e às vezes pode ser extremo durante os anos pré-escolares. Como as crianças afetadas envelhecem, os comportamentos podem ser menos prevalente, especialmente com a terapia.

* Tipos de comportamento repetitivo

Padrões de comportamento repetitivo pode manifestar-se um número de maneiras que variam de um movimento da mão simples de um complexo ritual físico. Comportamento repetitivo comum inclui:
Mão ou braço batendo
Twirling
Músculos apertamento
Repetindo um ruído ou frase em um padrão (ecolalia)
Balançando para frente e para trás
Dedos flicking
Bater a cabeça

Comportamento repetitivo às vezes pode incluir auto-lesão. Algumas pessoas com autismo envolver em auto-prejudicando rituais como bater a cabeça, a pele coçando ou dentes excessivamente moagem.

* Qual é o significado do comportamento repetitivo?

Não se sabe exatamente por que uma pessoa com autismo se engaja em comportamento repetitivo. No entanto, algumas teorias sugerem que o comportamento é um tipo de resposta a uma sensação ou experiência. Por exemplo, uma pessoa com autismo pode balançar para trás e para frente quando angustiado, a fim de se acalmar. Outra pessoa afetada pode bater suas mãos quando ele está animado sobre um assunto favorito, como curiosidades dos esportes.Outras teorias propõem que comportamentos repetitivos podem estar relacionadas à forma como uma pessoa com autismo processa a informação. Por exemplo, uma pessoa com autismo pode virar os dedos repetidamente na frente de seus olhos enquanto ela escuta música.Estas teorias conduzem à questão de saber se ou não o comportamento repetitivo é uma forma de comunicação. Os gestos repetitivos poderia ser visto como mensagens. Para uma pessoa com autismo, meio braço batendo, "Eu não gosto disso." No entanto, girando para outra pessoa com autismo traduz para "Isto faz-me feliz."

* Causas de comportamento repetitivo

Embora a causa do comportamento repetitivo é desconhecida, estudos recentes sugerem que pessoas com autismo podem ter determinadas anormalidades cerebrais. Alguns estudos têm observado irregularidades na estrutura do cérebro de algumas pessoas com autismo que podem resultar em sintomas do autismo, como comportamento repetitivo. Os cientistas também identificaram deficiências no cérebro de alguns indivíduos autistas que afetam as habilidades cognitivas e os desequilíbrios de neurotransmissores que pode produzir um comportamento incomum.

* Estudos sobre o comportamento repetitivo

Dois estudos recentes têm lançado luz sobre as possíveis causas de comportamento repetitivo.

2008 Hofstra University Study

Em maio de 2008, Hofstra University anunciou os resultados de um estudo que ligava o autismo comportamento repetitivo de deficiência em certas partes do cérebro. O estudo envolveu 18 pessoas com autismo e 15 pessoas com o desenvolvimento cerebral média. Os cientistas usaram ressonância magnética funcional (fMRI) para descobrir como as diferentes regiões do cérebro responderam a atividades cognitivas. A fMRI mostraram que as pessoas com autismo tinham menor atividade no córtex pré-frontal, córtex parietal e gânglios da base que as pessoas com o desenvolvimento cerebral média.
2009 Cérebro Estudo Anormalidades
Um estudo de 2009 publicado no Jornal de Transtornos do autismo e Desenvolvimento descobriu que anormalidades corpo caloso no cérebro pode levar a sintomas de autismo, como comportamento repetitivo. Os participantes do estudo tinham todos 32 graus semelhantes de autismo e QI. Cada participante recebeu um grupo de testes neurocognitivos e exames cerebrais de ressonância magnética, que revelou que todos eles tinham um corpo caloso menor do que a pessoa média.
Tratamentos para o Comportamento repetitivo

Técnicas de terapia comportamental e medicamentos podem ajudar a diminuir a intensidade do comportamento repetitivo.

* Terapia

A terapia comportamental e sensorial pode ser tratamentos eficazes para o comportamento repetitivo no autismo. Técnicas de terapia incluem:

* Análise do Comportamento Aplicada: a análise comportamental aplicada envolve um sistema de recompensas para o comportamento positivo e ignorando comportamento repetitivo. A terapeuta conduz a terapia em um ambiente estruturado e desencoraja o comportamento repetitivo por apenas recompensar o comportamento adequado.
* Terapia de Integração Sensorial: a terapia de integração sensorial pode ajudar uma criança com autismo que tem informações de problemas de processamento sensorial, além de comportamento repetitivo. Alguns dos comportamentos podem ser o resultado de ansiedade sobre problemas de processamento sensoriais. Um terapeuta pode ajudar você a desenvolver um plano personalizado para o seu filho que pode ajudar a resolver questões sensoriais e diminuir o comportamento repetitivo.
* Medicação

Certos medicamentos às vezes são recomendados para ajudar a reduzir o comportamento repetitivo. As seguintes quatro medicamentos são prescritos às vezes para o comportamento repetitivo:

Risperidona: risperidona (Risperdal) é um medicamento antipsicótico. Risperdal é atualmente a única Federal dos EUA Food and Drug Administration (FDA) aprovou a medicação para tratar o autismo. A risperidona é geralmente recomendada apenas para pessoas maiores de 18 anos.
Fluxetine: Prozac é o nome comercial para fluxetine, um antidepressivo e ansiolítico. Esta droga é por vezes recomendado para o autismo ainda um estudo recente mostrou que ele pode ser um tratamento ineficaz para o comportamento repetitivo. Fluxetine normalmente só é recomendado para pessoas maiores de 18 anos.
A fluvoxamina: A fluvoxamina (Luvox) é um antidepressivo que pode ser usado por crianças com mais de oito anos de idade.
Valproato: Crianças maiores de dois anos de idade podem usar valproato. Valproato (Depakote) é um estabilizador do humor medicação.Você pode obter a ajuda certa para seu filho. A intervenção precoce pode fazer uma diferença significativa na redução de comportamentos repetitivos no autismo. Investigação em curso também oferece esperança para melhores tratamentos futuros.


Traços de atividade cerebral podem indicar autismo

Cientistas indentificaram certos padrões entre crianças que apresentam tais condições
26 de junho de 2012 | 11h 57

Cientistas americanos do Hospital Pediátrico de Boston acreditam que certos traços deixados pela atividade cerebral são um indício para identificar se crianças podem ou não desenvolver autismo.
De acordo com os pesquisadores, os traços eletroencefalográficos (EEG), que registram a atividade elétrica cerebral por meio de eletrodos, podem oferecer um diagnóstico sobre essa condição de saúde.

Os registros de cerca de mil crianças avaliados pelos pesquisadores mostraram uma clara distinção entre a atividade cerebral de crianças austistas e saudáveis. Os especialistas, porém, afirmam que são necessários mais testes para confirmar se os traços de EEG são capazes de diagnosticar o autismo sem a ajuda de outros meios.

O autismo é uma desordem do desenvolvimento da criança, que pode afetar as capacidades cognitivas e de comunicação do paciente, tendo efeitos singulares em cada caso identificado. É um condição cujo diagnóstico é complicado e pode ficar sem detecção por anos.

O estudo identificou 33 padrões específicos de EEG que aparentemente estão ligados ao autismo. A maioria das crianças cuja atividade cerebral registrada esteve dentro desse grupo de padrões apresentou algum tipo de desordem, e suas idades variavam entre 2 e 12 anos.

Os pesquisadores repetiram a análise dez vezes. Em 90% delas, os padrões de EEG identificaram de forma correta o autismo.

A equipe agora planeja repetir o estudo com crianças com a síndrome de Asperger, um tipo peculiar de autismo. Pacientes dessa síndrome têm inteligência acima da média e menos dificuldade com a comunicação que crianças com outro tipo de distúrbios.

O doutor Frank Duffy, que lidera o estudo, disse que o trabalho pode ajudar a determinar se a síndrome de Asperger deveria ser considerada uma condição separada do autismo. Além disso, poderá ser possível identificar se irmãos de crianças com autismo são propensos a desenvolver as mesmas desordens.

"O EEG pode ser uma forma de checar as mesmas condições nos irmão mais jovens ao antecipar os sintomas", disse ele, acrescentando que os registros também podem ser usados para verificar os benefícios de determinados tratamentos para o autismo.


Diagnóstico de autismo depende muito da observação familiar

Postado por Adriana Daiana de Oliveira terça-feira, 26 de junho de 2012

Como não há exames específicos para a detecção do transtorno, e suas causas são desconhecidas, o relatório familiar é a maior base do diagnóstico autista.

Transtorno Invasivo do Desenvolvimento (TID). Essa é a classificação dada pela Associação Americana de Psiquiatria para o autismo, patologia categorizada pelo desenvolvimento anormal do indivíduo, e que se manifesta geralmente até os três primeiros anos de idade, quando a criança começa a mostrar perturbação nas interações sociais, comunicação e comportamento.

Estima-se que existam no Brasil cerca de 100 mil pessoas com autismo. Alguns autores apontam que a cada 10 mil nascidos, 21 bebês sejam autistas (sendo 4 a 5 vezes maior em meninos, em relação às meninas), mas a indicação da incidência do TID tem variado em função do aprimoramento dos meios de investigação e de rigor em classificar alguém como autista, já que seu comportamento pode ser meramente reflexo da influência de seu ambiente.

Sendo assim, diagnosticar o autismo é tarefa delicada, e geralmente muito embasada pelo depoimento familiar da pessoa. Atualmente, exames bioquímicos, cromossômicos e eletroencefálicos ajudam a esclarecer o quadro, já que algumas crianças autistas apresentam aumento dos ventrículos cerebrais que podem ser vistos na tomografia cerebral computadorizada (em adultos, as imagens de ressonância magnética podem mostrar anormalidades cerebrais adicionais), mas tais resultados servem apenas de amparo.

De causa desconhecida, estudos indicam que o autismo pode ser em parte, genético. Isso porque nos casos de gêmeos idênticos, ambos tendem a apresentar a desordem comportamental. Os principais sintomas a serem observados é a dificuldade de reconhecer a estímulos auditivos e visuais e a expressar comunicação corpórea. A criança autista também não interage em jogos em grupo, evita o contato no olhar e tem uma anormalidade específica em expressar e reconhecer emoções. Entretanto, o nível de inteligência não é, necessariamente, atingido, já que nos casos de autismo, a inteligência fica entre a subnormal e acima do normal, com maior sucesso em tarefas que requerem memória simples. Além desses sintomas, o autista tende a sofrer de fobias, perturbações do sono e da alimentação e crises de choro ou de agressão (tanto ao próximo, como de autolesão). É importante salientar que nem todos os autistas apresentam todos esses sintomas associados, e que a patologia não compromete a expectativa de vida.

Crianças autistas com inteligência subnormal, avaliadas em testes padrão e com resultados de QI abaixo dos 50 pontos, provavelmente irão precisar de cuidado institucional em tempo integral. Já as crianças com QI considerado normal se beneficiam de educação regular, porém, inclusiva, e psicoterapia. A Fonoterapia é indicada e indicada precocemente bem como a terapia ocupacional e a fisioterapia.

COMO SABER SE A CRIANÇA TEM AUTISMO?

· Geralmente, a criança apresenta, pelo menos 50% dos sintomas abaixo relacionados, e que podem variar de acordo com a intensidade e a idade;
· Dificuldade em interagir com outras pessoas;
· Repetição de gestos idênticos;
· Resistência a mudar de rotina;
· Risos ou choro inapropriados;
· Tem algumas fobias, e por outro lado, não teme os perigos;
· Pouco contato visual;
· Pequena resposta aos métodos normais de ensino;
· Aparente insensibilidade à dor;
· Ecolalia (repetição de palavras ou frases);
· Conduta reservada;
· Dificuldade em aceitar carinho;
· Hiper ou hipo atividade física;
· Angústia sem razão aparente;
· Age como se não ouvisse;
· Apego inapropriado e objetos;
· Habilidades motoras e atividades motoras desiguais, e dificuldade em expressar suas necessidades (usa sinais para os objetos em vez de palavras).